Iniciativas da Lilly de Combate à Contrafação

Os princípios fundamentais da Lilly determinam que a segurança dos doentes seja a nossa principal prioridade. Nesse sentido, criámos uma Equipa Global Anti-Contrafação, cuja missão é tomar medidas imediatas que protejam os doentes de medicamentos contrafeitos. A nossa equipa abarca diversas competências e atividades da empresa, nomeadamente produção, segurança global, vendas, laboratórios forenses, assuntos legais, jurídicos, etc.

Abordagem abrangente
Para combater a ameaça global da contrafação, é necessária uma abordagem holística e abrangente que terá de:

  • Fazer esforços no sentido de reforçar a supervisão e monitorização a nível mundial da cadeia de distribuição de produtos farmacêuticos;
  • Definir um enquadramento legal rígido capaz de dissuadir a prática de atividades ilícitas; 
  • Reforçar e garantir a aplicação de sanções adequadas;
  • Permitir o desenvolvimento de capacidades aplicação da lei;
  • Permitir uma colaboração constante entre os setores público e privado; e
  • Reforçar a cooperação internacional.

Parcerias que protegem os doentes
Colaboramos com entidades governamentais, reguladoras e de controlo alfandegário, tendo em vista a identificação de medicamentos contrafeitos e a impossibilidade de eles chegarem aos doentes portugueses. A Lilly colabora igualmente com os serviços responsáveis pela aplicação da lei e com as entidades reguladoras de todo o mundo com o objectivo de localizar e deter os autores de crimes de contrafação e as pessoas que propositadamente os fazem circular por todo o mundo. Para acabar com a contrafação, será necessário um esforço conjunto das entidades oficiais, organizações de doentes, redes médicas e fabricantes. Só teremos sucesso, se agirmos em conjunto – e a nível mundial.

Educação e sensibilização
Os esforços da Lilly vão no sentido de educar e sensibilizar os decisores e os profissionais de saúde para os riscos que efetivamente existem. A Lilly colabora com organizações não governamentais como a Organização Mundial de Saúde, a Associação Mundial de Profissionais de Saúde, a Organização Mundial das Alfândegas, a Federação Europeia das Associações das Indústrias Farmacêuticas, entre outras, no sentido de alertar os doentes, os profissionais de saúde e as entidades oficiais para o ritmo alarmante da tendência de crescimento da distribuição de medicamentos contrafeitos. É necessário reconhecer esta ameaça na sua verdadeira dimensão para que seja possível fazer um esforço a nível internacional capaz de fazer frente à sofisticação e capacidades tecnológicas cada vez maiores dos autores de produtos contrafeitos.